Certificado Energético: o que é e porque é importante para a venda e aluguer

Share

Desde Junho de 2013 que a legislação na Europa exige um Certificado Energético válido para vender ou alugar um imóvel, pelo que os seus clientes necessitarão definitivamente de um. Mas será uma boa ideia investir dinheiro em obras no imóvel para obter uma melhor classificação no seu CE? Quanto é que isso afeta a forma como o seu imóvel é visto? Descubra tudo sobre isso neste artigo!

Certificado energético: o que é?

Um Certificado Energético é um relatório que lhe permite conhecer as características de um bem relacionado com a eficiência energética. Classifica as propriedades utilizando letras de A a G, sendo “A” os edifícios com emissões zero e “G”os que têm pior desempenho (15% em cada país). Os restantes edifícios são distribuídos proporcionalmente entre B e F. 

Basicamente, o Certificado de Eficiência Energética mostra:

  • O nível de energia requerido por um imóvel (quão eficiente é em termos energéticos)
  • Custos médios de energia
  • Formas de reduzir o consumo de energia
  • Como melhorar a propriedade para um melhor desempenho

Pode conter dicas sobre  de sistemas de iluminação ou aquecimento, isolamento térmico, aparelhos e mais melhorias que podem ser feitas à propriedade, tudo isto de uma forma muito compreensível.

Para o comprador, uma propriedade de elevada classificação significa conforto térmico, contas de energia mais baixas e uma vida mais sustentável.

Para a Europa como um todo, este sistema significava uma forma simples de classificar os edifícios, adaptável à realidade de cada país e que permite a compradores e investidores individuais falarem a mesma língua além fronteiras. O CE também fornece aos governos informações sobre o seu património imobiliário, para que possam desenvolver medidas para garantir que os países se tornem mais eficientes em termos energéticos.  

Por quanto tempo é válido um certificado energético?

Cada certificado de eficiência energética dura 10 anos e terá de ser atualizado se o imóvel for novamente colocado no mercado.

Como obter um certificado de eficiência energética

A fim de obter um certificado energético, o seu cliente terá de contactar um técnico qualificado e levá-lo a visitar o local para medir o consumo de energia e verificar a instalação eléctrica para criar um relatório.

Porque é importante consultar um certificado energético para alugar ou vender um imóvel?

Depois de compreender os custos e processos para obter um certificado de desempenho energético para um imóvel, é tempo de compreender se os seus clientes devem, ou não, escolher ter um, certo? Vamos ver o que torna esta documentação tão relevante.

Temperaturas muito altas e muito baixas durante o ano

A maioria dos países europeus lida com temperaturas baixas durante os meses de inverno, atingindo 0ºC ou mesmo temperaturas negativas. Entretanto, no verão, os mesmos territórios enfrentam dias com temperaturas que chegam a subir até 30ºC ou mais.

Esta vasta gama de sensações térmicas ao longo do ano pode causar grande desconforto a um inquilino ou comprador se a propriedade não estiver adequadamente protegida contra as intempéries. Assim, fazer alterações ao seu imóvel e conceder uma boa classificação pode ser exatamente o que faz a diferença para encorajar potenciais compradores a ficar com ele.

Alterações climáticas e preços da energia

As alterações climáticas tornaram-se uma questão urgente, algo que afeta a rotina diária das populações em todo o globo, todos os anos. Com invernos e verões cada vez mais rigorosos, é natural que os compradores procurem por propriedades que os possam proteger de sensações térmicas extremas.

Um outro ponto é que uma crise climática também afeta o acesso à energia, aumentando o seu preço e trazendo a pobreza energética aos países. Atualizar um imóvel para ser mais eficiente em termos energéticos, e obter um certificado energético que o prove, pode ajudar o seu cliente a vender a casa mais rapidamente, uma vez que reduz a vulnerabilidade dos compradores às variações do preço da energia.

Enfrentar a nova competição

A UE tem vindo a alterar a sua legislação sobre energia e clima para reduzir as emissões de CO2 em 55%. Esta ação constitui um dos muitos passos para alcançar os seus objetivos de sustentabilidade para 2030, mantendo o ritmo do Acordo Climático de Paris e do objetivo de neutralidade de carbono de 2050.

Sabe qual é o maior consumidor de energia na UE e um dos maiores produtores de dióxido de carbono? Os edifícios! Construção, utilização, renovação e demolição de áreas de construção somam 40% de todo o consumo de energia na Europa e 36% das emissões de gases com efeito de estufa.

Portanto, é inevitável que este tipo de assunto tenha chegado ao setor da habitação. De acordo com o Plano de Metas Climáticas da UE, as emissões diretas do setor dos edifícios terão de diminuir cerca de 80-89% até 2040.

Mais do que isso, as Normas Mínimas de Desempenho Energético da UE estabeleceram que os edifícios residenciais deverão ser renovados da classificação “G” para pelo menos “F” até 2030 e para, no mínimo, “E” até 2033. Quanto aos edifícios públicos e não residenciais, terão de ser renovados e melhorados pelo menos para o nível de desempenho energético “F”, o mais tardar até 2027, e para o nível “E”, pelo menos, até 2030. Sim, estes prazos estão mesmo ao virar da esquina.

Quanto aos novos edifícios, a fim de seguir as leis governamentais e de garantir que as empresas estão ao nível das normas europeias de ESG, muitos já estão a ser construídos com a premissa de poupar energia. Alguns deles são, na realidade, edifícios com emissões-zero.

O que é que isto significa para o seu cliente? Isto significa que a sua propriedade irá competir contra casas e apartamentos energeticamente eficientes e, se não receberem uma atualização nesse sentido, provavelmente irão perder potenciais compradores. Este é o momento para beneficiar de incentivos governamentais de renovação e obter o seu certificado energético.

Um valor acrescentado para edifícios mais antigos

A Europa não é conhecida como o “Velho Continente” por nada: os seus edifícios centenários são uma parte importante da arquitetura que torna cada país tão único. Mas a tradição vem com um custo: técnicas de construção desatualizadas que necessitam de reparações profundas..

Assim, quando um potencial comprador vê um edifício mais antigo, cheio de história e tradição, que está pronto para alojar confortavelmente a sua família, é difícil não selar um acordo. No entanto, o contrário também acontece: se o imóvel não estiver preparado para ser energeticamente e termicamente eficiente, pode mesmo tornar-se uma razão para não comprar, uma vez que fazer ajustamentos pode não só ser caro, mas também “demasiado” demorado.

É assim que ter um certificado de desempenho energético pode tornar-se um valor acrescentado para o seu imóvel: ao modernizar as condições energéticas da sua casa e consultar um certificado de eficiência energética que o prove, oferece-se aos potenciais compradores o encanto do velho mundo juntamente com o conforto de uma nova casa.

Finalmente, assegure ao seu cliente que nem todas as melhorias de eficiência energética requerem altos investimentos ou grandes renovações: algumas delas podem, de facto, ser facilmente realizadas e muito rentáveis. Podem sempre começar com o que pode ser feito imediatamente e avançar para mudanças maiores quando compreendem o valor acrescentado que um bom certificado energético traz à propriedade.

Foto de Erik Mclean no Unsplash

Daily, we track 180.000+ property changes in Spain, Portugal, France, etc.

Be the first one to know about price changes, new and sold listings.
Imagem da Freguesia do Beato

Guia da Zona em Destaque: Beato

“Up-and-coming” (em alta, promissor) é um termo dado a muitos bairros de Lisboa hoje em dia, mas o Beato é um dos que merece verdadeiramente o rótulo.